Pilates com Bola

pilates com bola

Os benefícios do Pilates, associados aos exercícios com a bola, tornam a aula ainda mais divertida. Essa prática tonifica, define e melhora a flexibilidade, harmonizando as formas do corpo.

No Pilates com a bola, trabalha-se com as camadas mais profundas da musculatura de maneira muito eficaz. A bola permite a execução ideal dos exercícios, pois é muito comum que os músculos mais fortes “roubem” o direcionamento da força.

Os exercícios são apresentados de forma bem simples, evitando as séries com infinitas repetições.

Advertisements

Os Avanços na Medicina continuam e as Esperanças Aumentam

Medula Quebra Cabeça Editada

Geoffrey Raisman, um cientista britânico de renome mundial, especialista em analisar as células do sistema nervoso dedicou sua vida à pesquisa para desenvolver uma técnica que possibilitasse a reversão da paralisia, e conseguiu. Utilizando células da narina que possuem característica regenerativas e pequenos pedaços de tendões, Geoffrey conseguiu recompor o tecido medular  tornando possível que ocorresse comunicação entre o cérebro e os músculos das pernas.

O primeiro paciente a testar a técnica é Darek Fidyka, um polonês que ficou paraplégico ao ser esfaqueado nas costas. Após o transplante das células, Darek iniciou um tratamento fisioterápico para estimular e fortalecer sua musculatura. Apesar dos avanços o procedimento deve ser testado em outros pacientes para então se dar inicio a uma nova fase de testes.

Para conferir um trecho da reportagem clique aqui: http://www.youtube.com/watch?v=sJiMb7t7ZD4

Estabilização Segmentar

4

A estabilização segmentar é fruto de pesquisas realizadas na universidade de Queensland, Austrália, a partir da observação de tratamentos tradicionais para lombalgias. O conceito divide os músculos que estabilizam a coluna em dois sistemas, o global que é formado por grandes músculos como o reto abdominal, oblíquo externo, glúteo máximo; e o local, formado por músculos ligados diretamente à vértebra, como o transverso do abdômen, multífidos, diafragma e assoalho pélvico.

Os exercícios são desenvolvidos para que haja contração especifica de cada músculo componente da coluna para fortalecer e estabilizar. Também são associadas ao exercício técnicas de respiração que priorizam a percepção de cada contração. O tratamento é comprovadamente eficaz para lombalgia e é aconselhável para ser utilizado paralelamente a outras terapias como o conceito Maitland, mobilização neural e outras.

Mobilização Neural (Neurodinâmica)

neuro1

 

A mobilização neural é uma terapia manipulativa que consiste na mobilização do sistema nervoso através de movimentos tensionantes ou oscilatórios realizados nas articulações pelas quais os nervos trajetam. As queixas de dores podem estar associadas a hábitos posturais ou movimentação inadequada. O tratamento é indicado para cefaléias, síndromes compressivas, entorses, fascite e lesões mecânicas.

Os fisioterapeutas avaliam o paciente através de testes específicos para relacionar a influência do sistema neural e as dores, com o intuito de selecionar a melhor abordagem para o tratamento da patologia.

Método McKenzie

metodo-mckenzie-mal-di-schiena

Desenvolvido pelo fisioterapeuta neozelandês Robin McKenzie, o Método McKenzie vem conquistando cada vez mais adeptos em diversos países, sendo recomendado como o tratamento de primeira escolha para problemas musculares e articulares, principalmente de coluna. Ao contrário do que muitos pensam, o método é antes de mais nada um sistema de avaliação que quando bem executado levam a um diagnóstico mecânico preciso, que determina o tratamento específico, adequado para cada paciente.

O sistema  pode ser dividido em três partes: Avaliação, Tratamento e Profilaxia. A etapa de avaliação consiste em compreender, através da história do paciente e de  movimentos repetidos ou posições mantidas, o comportamento da dor e da função. A partir dessa compreensão é possível classificar cada paciente em uma categoria (ou síndrome) que pode ser chamada de Desarranjo, Disfunção ou Síndrome Postural.

O tratamento é específico para cada paciente e consiste em movimentos ou posições que o paciente realiza sozinho e que podem ser facilmente adaptáveis ao dia-a-dia. Caso o autotratamento não seja suficiente para resolver o problema, o profissional treinado no Método aplica técnicas manuais complementares. Já a profilaxia consiste em conscientizar e incentivar os pacientes a manter a rotina de exercícios aprendidas durante o tratamento para que possa reduzir a chance de reincidência.

Terapia Manual Método Maitland

maa

Desenvolvido na década de 60 por Geoffrey D. Maitland, este conceito de terapia manual reside na avaliação dos movimentos fisiológicos e acessórios articulares (vertebrais e periféricos) e na utilização de técnicas manuais (mobilizações e manipulações) para reestabelecê-los segundo o raciocínio clínico apropriado.

Esta abordagem de fisioterapia é sempre referida como um “conceito”, e não como uma “técnica”, pois a ênfase do tratamento é pautada sobre uma filosofia de avaliação e não sobre a técnica de mobilização. A manipulção Maitland defende o raciocínio clínico para definir quais técnicas utilizar e adaptá-las a cada paciente.

A Recuperação dos Prematuros

10531196_1434361720121990_679539669_n

Os bebês prematuros, aqueles que nascem antes da 37° semana de gestação, devem ser tratados com muita cautela. Exigem atenção de uma equipe multi disciplinar para que seu tratamento e recuperação sejam bem sucedidos em todos os campos em que seu desenvolvimento foi afetado. Para isso a equipe deve ser formada não só por médicos, mas também por terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, etc. A fisioterapia em bebês prematuros possui papel fundamental durante o tratamento, pois visa identificar falhas oriundas da prematuridade e incentivar a motricidade do bebe para que todas as funções motoras sejam desenvolvidas.

UNIFESP Testa Técnica para Recuperação de Pessoas com Lesão Medular

737820_168925

Médicos da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) anunciaram a realização de uma cirurgia inédita no país, que permite a pacientes paraplégicos e tetraplégicos recuperar parte dos movimentos perdidos devido à lesão na medula espinhal.
A técnica consiste na aplicação de eletrodos nos nervos ciático, femoral e pudendo (nervos sacrais), localizados na região abdominal, responsáveis pelos movimentos das pernas e pés e pelo controle da bexiga e do reto.
O procedimento para o implante do neuromodulador usou a videolaparoscopia, em que uma microcâmera é introduzida no paciente pelo umbigo e é pouco invasivo.